Nunca trabalhou com metodologias ágeis e a cultura ágil? Esse artigo é para você

Nunca trabalhou com metodologias ágeis e a cultura ágil? Esse artigo é para você

Apesar das metodologias ágeis já terem se consolidado há alguns anos, não há nada de errado em ainda não ter uma experiência prática com elas. Este artigo não é uma introdução ao manifesto ágil e as metodologias ágeis, o nosso objetivo aqui é ajudar quem nunca trabalhou na prática com Ágil a saber como se adaptar a uma nova rotina. 

Sendo assim, para seguir com essa leitura, é importante que você já tenha lido sobre o tema e já tenha um conhecimento básico a respeito desses métodos. Combinado?

Flexibilidade, cooperação, adaptação: essas são as palavras-chave

A principal diferença entre as metodologias ágeis e as metodologias tradicionais é a adaptabilidade, porque durante o desenvolvimento de um projeto podem acontecer diversas alterações e mudanças de rota. Então todo o time tem que estar preparado para, a qualquer momento, adaptar algo no projeto. É preciso ter uma mente aberta a ideias diferentes e ser muito flexível a iterações, ter resiliência frente às mudanças

Outro termo que você precisa ter em mente é a cooperação: os times ágeis trabalham como uma grande unidade, então quando surge um problema todos trabalham em conjunto para resolvê-los. Não há espaço para individualismo ou espírito competitivo, é preciso saber ouvir o outro e mudar de ideia, pensando no resultado como um todo. 

Isso porque quanto mais diverso e mais colaborativo o time for, melhor. Maiores serão as chances de encontrarem soluções inovadoras e se adaptarem rapidamente durante o desenvolvimento do projeto. Aqui na Orbia, estamos acostumados a viver essa cultura diariamente, inclusive temos esse costume de envolver pessoas de outras áreas em processos de usabilidade e desenvolvimento de produto. É a cooperação vivida na prática e isso faz toda diferença em nossos resultados.

Ser ágil vai além das metodologias ágeis, é uma mudança de mindset!

Se tem uma coisa que é importante você ter em mente é que as metodologias ágeis não são só métodos. Para você ter sucesso na prática e se adaptar rapidamente é preciso que você pense conforme a cultura ágil. Não adianta só conhecer e aplicar os processos, têm que mudar o seu jeito de pensar, ou, como falamos, o seu mindset. 

Agora você deve estar se perguntando: “e como eu faço isso”? Para isso, primeiro é preciso que você deixe de lado o perfeccionismo e aprenda a mapear sempre as necessidades reais daquele projeto, para não perder muito tempo com algo que na verdade não vai resolver o problema em questão. Isso quer dizer também que você tem que tentar sempre pensar com simplicidade em como resolver cada desafio, prezando pela maneira mais eficiente de resolver os problemas. 

Em segundo lugar, é preciso que você confie na sua equipe e se comunique bem com todos, de maneira clara. E, por fim, que sempre busque entender o contexto da situação e se adaptar, pois como já mencionei acima a flexibilidade é uma das chaves. 

Essas dicas que são muito valiosas porque geralmente só aprendemos isso depois de um tempo trabalhando com metodologias ágeis. Então aproveite e boa sorte em sua primeira experiência prática com agile.

Ah, se ficou curioso em saber mais sobre como trabalhamos aqui na Orbia, leia também esse texto: Mapa de empatia: a importância de um para entender a perspectiva da persona

 

CompartilharFacebookTwitter
Entrar na conversa