Programadores precisam criar um portfólio? Confira algumas dicas
criar portfólio

Programadores precisam criar um portfólio? Confira algumas dicas

Você está buscando novas oportunidades na área tech? Tem preenchido cadastros para processos seletivos de empresas e agências? Então é bem provável que algumas delas já tenham solicitado exemplos de trabalhos anteriores. Afinal, mesmo quando falamos em programação, criar um portfólio tem se mostrado cada vez mais essencial.

Este documento será a sua carta de apresentação, é por meio dele que você diz: “é isso o que eu sei fazer”. Por isso, seu portfólio deve causar uma boa impressão e destacar os seus conhecimentos. E ainda que essa ferramenta seja mais conhecido no mundo do Design, para os programadores não é tão diferente, já que ter um portfólio também é indispensável. 

Além disso, os recrutadores desejam ver mais do que uma lista de experiências ou conhecimentos técnicos no currículo. Por isso, saber como criar um portfólio atraente para programação pode te ajudar a conquistar as melhores oportunidades. 

Por que criar um portfólio é importante? 

O portfólio é, basicamente, sua apresentação para o mercado de trabalho. Nele, será possível mostrar o você já criou, como você conduz seus projetos e o que você gosta de fazer. Afinal, existem várias áreas no desenvolvimento: front-end, back-end, full-stack, mobile (Android e IOS), etc. Dessa forma, criar um portfólio é também uma maneira de se conhecer, descobrir as áreas que você gosta de atuar e mostrar isso para os outros de uma forma organizada.

É claro que não existe uma “receita de bolo”, pelo contrário, o ideal é que cada portfólio seja único e revele a personalidade do seu criador. Mas tenha em mente que, ao acessar o seu material, o recrutador precisa ver valor naquilo que você está apresentando. Mais do que resultado, é importante demonstrar o seu pensamento crítico  Por isso, é necessário que o recrutador consiga analisar aspectos como o objetivos do projeto, a usabilidade e a acessibilidade de um site, aplicativo ou sistema criado por você. 

Aliás, mencionar algumas contribuições feitas para a comunidade, como por exemplo, modificações em código open source também podem contar (muitos) pontos ao seu favor.

Como estruturar seu portfólio?

O ideal é manter uma navegação intuitiva e consistente. Para isso, você pode incluir algumas seções como: “quem sou eu?”, “projetos” e “contatos”. O formato é o que menos importa. Há centenas de plataformas e modelos diferentes. Além de grandes chances de diferentes empresas e vagas também procurarem por pontos específicos. 

Outra sugestão é incluir depoimentos de antigos líderes ou clientes. Afinal, as melhores pessoas para falar das nossas habilidades são aquelas que já conhecem o nosso trabalho.

Tente fazer também uma breve apresentação das suas experiências e certificações, dê prioridade para utilizar um tom mais informal e não esqueça de destacar suas soft skills. Depois, mencione os trabalhos que você se orgulha de ter feito. No entanto, é importante explicar o contexto desses projetos e quais foram os seus principais resultados. Por último, inclua links para suas redes sociais, o acesso ao seu currículo e o seu número de telefone.

E mesmo que você tenha atuado durante muito tempo em uma mesma área, busque apresentar projetos diferentes. Você pode, por exemplo, criar alguns trabalhos novos ou incluir materiais feitos na graduação e em projetos independentes.

Isso vai demonstrar que você tem versatilidade, conhecimento e interesse sobre diferentes temas, além da flexibilidade: uma das skills mais valorizadas no mercado.

Onde criar o meu portfólio?

Existem alguns sites que permitem a criação desse repositório, porém, nem todos eles agradam todo mundo ou conseguem suprir todas as necessidades dos profissionais.

Nossa dica, portanto, é: se cadastre na plataforma, veja como ela funciona, faça testes e peça a opinião de outras pessoas antes de se considerar satisfeito. Também é importante optar por uma ferramenta que possa ser atualizada com facilidade e ofereça um visual bonito e funcional, que esteja em conformidade com a sua área de atuação.

Você pode até pesquisar sites de outros programadores e se inspirar nestas referências para criar um portfólio, porém, busque deixar o produto final com a sua cara.

Aqui vão algumas indicações e ferramentas para você testar:

Github

Quando falamos de código, o Github é quase uma unanimidade entre os desenvolvedores. A plataforma é usada tanto por profissionais novatos quanto pelos mais experientes, para compartilhar e divulgar projetos com a comunidade tech. 

Por lá, os projetos são organizados por pastas que comportam uma grande variedade de formatos, como: html, documentos, php, CSS, pdf, jpeg, gráficos, entre outros. Além de criar um portfólio, também é possível interagir com os usuários e até fazer networking.

Cargo Collective

Você deseja usar seus conhecimentos de programação para criar um portfólio? Então o Cargo Collective é para você! Essa ferramenta permite que os usuários que entendem de CSS e HTML criem páginas exclusivas e totalmente personalizadas.

LinkedIn

Ainda que não seja voltado para a criação de portfólios propriamente ditos, o LinkedIn é uma ferramenta que ajuda os profissionais de todas as áreas a divulgarem seus jobs e projetos. Além disso, a rede social permite que você relate suas experiências, faça networking e receba recomendações de outras pessoas. Também é possível escrever e publicar artigos relatando, por exemplo, suas experiências, aprendizados ou ideias. 

Dicas finais…

Bom agora que você já sabe a importância de criar um portfólio, pense nesse documento como uma vitrine para sua trajetória profissional. Além disso, você não precisa se preocupar – o tempo todo – com formalidades, a área tech é bem conhecida por ser flexível e despojada.  Assim, se o seu portfólio for formal demais, não será possível identificar a sua personalidade.

Busque, portanto, um equilíbrio.

Por fim, separe um tempo para atualizá-lo e revisá-lo. Peça também a opinião de outras pessoas pois, às vezes, um olhar de fora agrega insights interessantes. 

De certa forma, o importante mesmo é ter atitude e lembrar que isso pode te destacar no mercado. Por isso, mãos à obra e comece hoje mesmo a se diferenciar!

Aproveite para ler também nosso artigo sobre desenvolvedores e mudança de área.

CompartilharFacebookTwitter
Entrar na conversa