4 regras para um UX Writing de sucesso
ux writing

4 regras para um UX Writing de sucesso

A busca por profissionais especializados em UX Writing continua aumentando constantemente. Não à toa, muitos profissionais, como jornalistas, copywriters e estrategistas de conteúdo, que querem fazer uma transição de carreira tentam entender exatamente o que precisam para alcançar o sucesso nessa área.  Por isso, resolvemos escrever esse artigo. 

E se você também tem dúvidas sobre a área, não deixe de conferi-lo!

UX Writing: por onde começar?

Quando falamos em UX Writing, estamos falando também em microcopys (ou microtextos) que são, basicamente, os textos escritos em espaços bem delimitados de uma interface digital. Esses textos precisam ser engajadores, intuitivos e atrativos, além de transmitirem uma mensagem clara e coerente, que possa conduzir e orientar os usuários.

Mas, no dia a dia de trabalho, o UX Writing vai muito além da redação ou do microcopy. Já que para garantir uma boa experiência do usuários, os profissionais também precisam fazer pesquisas de UX Research, conversar com stakeholders e participar do processo de criação como um todo. Além de, é claro, revisar e validar o conteúdo de e-mails, mensagens, notificações e demais canais de comunicação com os usuários.

Tendo sempre uma visão 360 do conteúdo.

Agora que você já está mais familiarizado com esse conceito e com as suas aplicações, é hora de entender algumas regras para se obter mais sucesso nessa área. Vamos lá?

  • A primeira versão de um copy jamais será a sua versão final

Quanto mais cedo você entender (e aceitar) que a primeira versão de tudo aquilo que você escrever, nunca será a versão final, mais sucesso você terá como UX Writing. Isso porque, depois de entender o briefing ou o problema a ser solucionado, você precisará começar a escrever sua mensagem da forma mais simples, clara e objetiva possível.

Depois disso, você irá reescrever essa mesma mensagem aplicando o tom de voz daquela marca. E, posteriormente, também terá que validar se aquilo que você escreveu, realmente, está fazendo sentido para o usuário ou se você precisa adequar algo.

Por exemplo, existem formas mais coerentes e concisas de passar aquela mesma mensagem? Se a resposta for sim, então a copy ainda precisará ser revista.

Lembre-se: um bom UX Writing é, acima de tudo, um bom editor.

  • Tenha um documento de tom voz 

A criação de um arquivo para documentar a persona e o tom de voz de um produto é essencial para o sucesso de qualquer UX Writer. Afinal de contas, esse documento irá nortear a forma como vamos escrever e centralizar nossas decisões. 

Nele, constam as regras gramaticais, a forma como abordaremos o usuário, a linguagem que deve ser usada, os estrangeirismos e, é claro, as orientações para descrever os diferentes elementos que compõem a interface do nosso produto.

  • Você não é o seu público-alvo

Por mais envolvido que você esteja em um projeto, é preciso lembrar sempre que você não é o seu usuário. Por isso, você nunca pode validar suas hipóteses ou escolher suas soluções com base apenas nas suas próprias perspectivas ou na sua intuição.

Aliás, as vezes, quando criamos mais de uma versão para uma mesma mensagem, temos uma inclinação natural de escolher aquela que soa melhor aos nossos ouvidos. No entanto, isso não significa que ela também será a melhor opção para o usuário. 

Para ter certeza disso, você precisa conhecer os seus utilizadores. Fazendo testes ou entrevistas que permitam entender as dores, as necessidades e o comportamento deles.

  • Antes de qualquer outra coisa, você também é responsável pelo design

Nossa última regra é uma das mais importantes: o UX Writer também é um designer e, portanto, é tão responsável pelo layout quanto os seus criadores. Afinal de contas, mais do que escrever um conteúdo, também precisamos zelar pelo visual que o acompanha.

Isso significa, por exemplo que, ao olhar para uma interface e perceber que os elementos gráficos não conversam com o conteúdo ou que não são a melhor solução, você precisa estar pronto para oferecer sugestões e melhorias. Garantindo assim que o resultado final seja coerente, atrativo e engajador, mesmo que o layout precise passar por mudanças.

Além disso, através da escrita, você pode tornar um produto mais humano, empático e simplificado. Por isso, esperamos que nossas dicas te ajudem a ter mais sucesso nessa área, independentemente se você já é ou ainda vai se tornar um UX Writer.

E lembre-se: facilitar a vida dos outros deve ser sempre o seu principal objetivo! Aproveite e leia também sobre UX Research: o que é e qual sua importância  no processo de design?

CompartilharFacebookTwitter
Entrar na conversa